Filme da Semana: Avalon High

Pôster oficial do filme, original do Disney Channel.

Pôster oficial do filme, original do Disney Channel.

Hey Galera,

Bom, não é nenhum segredo que quando o assunto se trata de lendas Medievais, principalmente quando é sobre os cavaleiros da Távola redonda e o Rei Arthur, não é surpresa que eu esteja envolvida no assunto. Eu amo histórias medievais, principalmente as que estão virando versões modernas. Avalon High, é uma releitura moderna do legado do Rei Arthur, inicialmente era um livro até que a Disney comprou os direitos autorais da Meg Cabot e transformou num filme, claro que houve muitas mudanças, mas se puderem leiam o livro e assistam o filme. Eu amei os dois.

A história se passa nos dias atuais, e conta a vida de Allie Penington (Britt Roberston), uma adolescente que se muda frequentemente com os pais que são professores de literatura medieval e fascinados pela lenda de Camelot e tudo a que se refere ao Rei Arthur. Mas para a surpresa de Allie, essa última mudança não será de curto período, os pais foram convidados a lecionar na universidade e vão morar na cidade por três anos, muito mais tempo do que as mudanças anteriores. No Colégio Avalon, Aliie reconhece Will Wagner (Gregg Sulkin), um garoto que esbarrou com ela no dia anterior, enquanto corria pelo parque. Will é lindo, charmoso, capitão do time de futebol americano e super popular, o que Allie não espera é que ele vá se apaixonar por ela no decorrer da história e descobrir que Jenn e o melhor amigo dele Lance, estão envolvidos em um triangulo amoroso, como na tragédia de Camelot. A partir daí ela começa a investigar mais a fundo e vê as semelhanças entre a lenda e o momento atual, junto com seu melhor amigo Miles, que no filme é o Merlin da história. O que me surpreendeu um pouco, é que no livro, a reencarnação do Rei Arthur, não é a mesma pessoa que eles apresentam no filme, e o vilão Mordred também não é o mesmo personagem no livro e no filme. Pra ser bem sincera, foram algumas alterações que eu achei bem mais adequadas e deixaram o filme com uma história menos confusa. Eu gostei bastante, e super indico tanto o livro quanto o filme.

Anúncios

Resenha: Princesa Adormecida – Paula Pimenta

"Filipe perguntou: - Você vai casar comigo? E eu, mesmo sem entender o significado daquilo, mas influenciada por todos os contos de fadas que minha mãe me contava, rodopiei no meu vestido rodado que usava naquele dia e respondi: - Só se você prometer que a gente vai ser feliz pra sempre." - Princesa Adormecida

“Filipe perguntou: – Você vai casar comigo? E eu, mesmo sem entender o significado daquilo, mas influenciada por todos os contos de fadas que minha mãe me contava, rodopiei no meu vestido rodado que usava naquele dia e respondi: – Só se você prometer que a gente vai ser feliz pra sempre.” – Princesa Adormecida

Hey Galera,

A resenha de hoje é de um livro muito fofinho e nacional, que ficou bem famoso pelo primeiro conto da autora, que fez parte de uma Antologia também lançada pela Galera Record. Esse é o primeiro livro da “Coleção Princesas” da Paula Pimenta, a convite da Galera Record. Por muito tempo, subestimei a literatura brasileira, mas recentemente, tenho lido livros tão bons, que são nacionais, que estou reavaliando se realmente fazia bem em julgar tanto antes, mas vamos focar na resenha né?

A história se passa no Brasil, e conta um pouquinho do conto de fadas moderno da Bela Adormecida, só que nessa versão, nossa princesinha é um pouquinho diferente. Áurea, que em metade do livro se chama Anna, foi separada dos pais aos 5 anos de idade, deixando tudo que ela conhecia para trás, para fugir das garras de uma megera conhecida como Marie Malleville. Com 5 anos ela se muda para o Brasil, e por 6 anos ela estuda em casa, aprende tudo com os tios. Ah, já mencionei que ela mora com o três tios? Pois é, eles substituem as fadas Fauna, Flora e Primavera do conto original, e ficou bem legal esse trio na história. Retomando rs, Áurea vai morar com os tios no Brasil, e com 11 anos eles decidem coloco-lá em colégio interno, para que ela comece a se envolver com outras pessoas, ou melhor garotas, pois o colégio é só para garotas, e é o único lugar que ela conhece, porque os tios não á deixam sair, por uma razão que ela desconhece e questiona o tempo todo. Rapidamente ela faz muitas amigas, dentre elas um se sobressai, a Clara (na história percebi que o nome foi meio que relacionada a Branca de Neve), que tem uma ideia não muito brilhante de levar a Áurea para sair no aniversário, só que escondido dos tios, nisso acontece uma boa confusão e os tios descobrem que a Áurea havia saído escondida, mas entendem e permitem que ela saia, mas com toque de recolher. Após essa festa, Áurea/Anna começa a receber mensagens no celular de um garoto misterioso, daí é que começa toda a trama interessante e fofinha.

Hahaha, parei por aqui porque não quero dar spoilers, super indico, mas sou suspeita a falar, já que amo contos de fadas (brincadeira, leiam sim porque o livro é ótimo rs). Ps: Tem uma personagem muito importante de outro livro da Paula Pimenta, que aparece nesse, e pra ser sincera, amei a participação da personagem. A história é muito meiga e leve, era exatamente o que eu queria ler no momento, eu amei, sei que muita gente que ainda não leu, assim que ler, também vai amar.

Resenha: Perdida – Carina Rissi

Perdida

“Mas eu não poderia sobreviver sem Ian, tinha certeza disso. Seria como tentar viver sem respirar: sufocante, insuportável e impossível.” – Sofia Alonzo (Trecho do Livro)

 Bom a primeira resenha literária, para estrear essa categoria do blog, nada mais é do que a resenha do livro Perdida da Carina Rissi, que só depois de ter lido (4 vezes), descobri que era da literatura brasileira. Pra quem me conhece sabe que não aprecio muito os livros nacionais, mas pela primeira vez me apaixonei por um livro nacional. A escrita da Carina é incrivel, ela me cativou do começo ao fim, quando terminei fiquei com aquele pensamento “poxa, já acabou?” rs. Agora vamos falar um pouquinho sobre o livro.

O livro conta a história de Sofia Alonzo, uma jovem de 24 anos que não acredita no amor, até ela conhecer um rapaz que nasceu há dois séculos atrás. Durante uma noite de festa Sofia fica meio bêbada e acaba perdendo o celular resultando que no dia seguinte ela tem de ir a uma loja comprar outro aparelho, mas ao chegar na loja a vendedora muito bem humorada lhe oferece um aparelho totalmente diferente e por um preço justo. Ao sair da loja, o aparelho não funciona como o esperado e como num passe de mágica, em um clarão cegante leva Sofia para um outro tempo. Há mais ou menos 250 anos atrás, onde ele conhece Ian Clarke (que é tão perfeito quanto Patch, Jace, Percy, Jesse e outros personagens literários por quais sou apaixonada). Ian, por ter nascido em outro tempo, é um tremendo cavalheiro, sempre cordial e meigo, o que me conquistou demais, sempre sendo respeitoso em relação a Sofia, o que torna mais difícil para ambos não se apaixonarem. Com o passar do tempo a história vai se desenrolando num envolvimento amoroso entre Sofia e Ian e o final é surpreendente e perfeito. Eu sou apaixonada por livros de tempos mediavais e vitorianos e tenho uma queda enorme por personagens masculinos que são cavalheiros, mas também sou fascinada por tecnologia e durante a história tem muito dos dois, eu amei como a Carina conseguiu desenvolver uma história tão bem escrita envolvendo o tempo vitoriano com as “modernidades” de hoje, com certeza foi muito criativo e original e espero ansiosa pelo próximo livro “Encontrada” que será lançado na 23º Bienal do Livro em SP, no mês de agosto, onde a própria autora estará presente para uma tarde de autógrafos. Eu com certeza estarei lá, e se você ainda não leu, está esperando o que? (ps: o post original é do blog wonderlandin.wordpress.com ambos escritos por mim)