Resenha: Divergente – Veronica Roth

Hey Galera,

 

A resenha de hoje será de um livro que muitos dizem ser igual a Jogos Vorazes (não tem nada a ver rs), claro que pode ser parecido, porque também é uma distopia, estou falando de Divergente. Pois é, temos uma Divergente na área rs. Para quem não sabe o que é distopia, vou dar uma breve explicação: Distopia é uma versão do mundo real, só que em uma época futurística, com a aparência de um mundo organizado e feliz, com um regime militar “saudável” e um governante “honesto” (no caso é só a imagem que é passada).

IMG_20140316_001833

A história se passa numa Chicago futurística e apocalíptica, dividade em 5 facções: Audácia, Abnegação, Franqueza, Amizade e Erudição. A hístória é focada nas Facções Audácia e Abnegação,  onde Beatrice Prior (Tris), pertence. Todo ano, acontece a cerimônia de escolha, onde os jovens 16 anos, decidem para se permancerão na mesma faccção onde nasceram ou se irão escolher outra facção. Geralmente, os pais esperam que os filhos permaneçam na mesma facção de nascimento, assim como o pai da Tris, que se revolta quando os filhos escolhem outras facções, Tris vaí para Audácia e Caleb para a Erudição.

Quando chega na Audácia, Tris começa a duvidar de sua escolha, pois no teste, antes de escolher sua nova facção, Tori, a garota responsável por seu teste, aconselha Tris que continua em sua facção, pois o seu teste não foi exato, sendo considerado então um Divergente. No decorrer da história, Tris conhece Quatro (Tobias), e meio que se apaixona por ele, e vice e versa. Quando começam surgir alguns testes, Tris começa a combater os medos de uma diferente dos membros da Audácia, e Qautro logo descobre que ela é Divergente, apagando os testes para que ninguém os veja. Os “superiores” da Audácia começam a desconfiar de que Tris é divergente, e eles só conseguem confirmar isso quando é aplicado um soro em todos os membros da Audácia para que eles invadam outra facção para dar início a uma guerra, pois a Erudição deseja derrubar a Abnegação, deixando somente as outras quatro, para que o país possa ser governado por uma única facção.

Nota:  Bom, para quem acha que é parecido com Jogos Vorazes, sim, eu também achei um pouco, até porque é uma distopia. Em questão de algumas pessoas terem mais do que outras e algumas viverem na miséria, isso lembra bastante também. Confesso que o livro não me prendeu muito, demorei bastante para ler e quando terminei não senti vontade de continuar, não sei se é porque no momento havia mais livros dos quais eu estava curiosa para ler, então deixei essa saga de lado. Quando assisti ao filme, para ser sincera, gostei mais do filme do que do livro, pretendo dar uma chance para continuar a leitiura até o 3º livro. Um dos pontos que me deixou meio desapontada para continuar lendo a saga foi porque soltaram um spoiler na internet e infelizmente, era verdade. O livro é bem escrito, de 5 estrelas eu dou 3, porque não me cativou tanto quantos as outras distopias como Jogos Vorazes, de Suzanne Collins, A Seleção, de Kiera Cass e Feios de Scott Westerfield.